Adega do Vale Brut (Rio Sol) – 2007

A proposta da Confraria Brasileira de Enoblogs para o mês de junho foi de um espumante produzido na região do Vale do São Francisco, no Nordeste brasileiro. Escolhi um representante da ViniBrasil, consórcio formado entre a vinícola portuguesa Dão Sul e a importadora brasileira Expand.

Procurei um espumante que ainda não tinha tomado e encontrei, entre os com preços mais acessíveis, o Adega do Vale Brut. No rótulo não está descrito o(s) tipo(s) de uvas que compõe(m) o espumante, porém acredito que leva a Moscato Canelli, cepa já consagrada na região.

Na análise visual, a bebida tem perlage escassa, com bolhas de tamanho médio, porém persistentes e em boa quantidade. A coloração é amarelo ouro e os aromas são discretos. Destacam-se as notas cítricas, pistache e um curioso cheiro que senti pela primeira vez em um vinho: de cabelo oleoso!

A acidez é boa, mas o açúcar está um pouco pronunciado para um espumante brut (seco). Também aparecem os sabores cítricos e um leve amargor final, mas que não classifico como defeito. Tem média persistência e 12% de graduação alcoólica.

Classificação: Bom
Preço: R$ 21,90
Onde encontrar: Comprei no Carrefour Torre, no Recife.

You Might Also Like

4 Replies to “Adega do Vale Brut (Rio Sol) – 2007”

  1. Fabiana,

    Adorei a parte do cabelo oleoso, me lembrou uma tirinha do Allan Sieber onde o enólogo encontra notas de unhas de aldeões no vinho 🙂

    No geral, acho que nossa região nordeste ainda precisa comer muito feijão para encarar a concorrência nacional e internacional!

    Grande abraço,

    Fabiana Andrade
    vimvinhovenci.blogspot.com

  2. FabianaS,

    comprei esse espumante pra comentar, mas ele havia perdido a pressão e não se podia bebê-lo. Estava "azedo".

    Parece que essa questão da falta de pressão aconteceu com outro confrade também (acho que o Paulo, do Nosso vinho).

    É certo que é um espumante de 2006, mas isso não deveria ter acontecido, já que temos outros espumantes nacionais no mercado, da mesma safra e em ótima forma.

    O produtor precisa abrir os olhos para algumas questões envolvendo não só a qualidade dos produtos, mas a distribuição na região sudeste do país, informações nos sites etc.

    É isso.

    Saúde!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *