Cortes de Cima

O dinamarquês Hans Kristian Jorgensen e sua esposa, a californiana Carrie são os produtores da Cortes de Cima, uma propriedade familiar localizada no Alentejo, em Portugal, a oito quilômetros da Vidigueira (tradicional área de castas brancas). Antes de iniciar a plantação, em 1998, eles consultaram o Departamento de Enologia da Universidade de Davis, nos EUA, que os aconselhou, em função do clima, a plantar apenas castas tintas.

Em 1996 eles decidiram produzir o seu próprio vinho, realizando uma experiência pioneira com a uva Syrah no Alentejo, anterior à sua aprovação como vinho regional pela Comissão Vitivinícola Regional Alentejana (CVR). Produzido “ilegalmente” em 1998, o rótulo Incógnito ganhou elogios em Portugal e, depois, algumas medalhas em concursos internacionais.

Os vinhos deste produtor combinam as modernas técnicas e do Novo Mundo com os sabores das uvas portuguesas bem amadurecidas.

Aí estão os vinhos degustados:

Chaminé Tinto, 2006
Um vinho de cor escura, elaborado com 51% de Aragonez, 37% Syrah, 4% Trincadeira, 4% Touriga Nacional e 4% Cabernet Sauvignon. A mistura das diferentes castas resultou em uma bebida jovem, com bom aroma de frutas vermelhas e vegetal. O paladar é macio e tem o adocicado das frutas, além de especiarias. O final é médio e tem uma discreta secura. É um vinho redondo. Compra certeira. Custa R$ 37,74 no Recife, nas importadoras Lacomex, Atacamax e RM Express, entre outras.

/Cortes de Cima Tinto, 2004
No nariz o álcool estava muito presente. Já na boca demonstrou notas florais e de ameixas, embora com acidez um pouco elevada. Tem teor alcoólico de 14,5% e sua composição inclui 51% Aragonez, 45% Syrah e 4% Trincadeira. É um vinho encorpado e estagiou 7 meses em carvalho francês e americano. Pode ser que melhore na garrafa nos próximos anos. R$ 57,87.

Cortes de Cima Syrah Tinto, 2003
É feito com 100% da uva Syrah. Tem tonalidade violeta e os aromas são de frutos maduros, compotas, baunilha e especiarias. No paladar, apresenta corpo médio e persistência, mostrando frescura nas notas de frutas, em conjunto com os taninos do carvalho francês, por onde passou nove meses. O preço de R$ 73,27 está um pouco alto para o rótulo, que é bem elaborado mas não merece tanto.

O produtor ainda tem um azeite fabuloso (o Extra Virgem Cortes de Cima), que falarei em breve num post somente sobre azeites portugueses.

You Might Also Like

One Reply to “Cortes de Cima”

  1. Na verdade o estágio do Syrah é: Estágio em Barricas: 7 meses em carvalho Francês e Americano. Trata-se de um vinho que já merece algum cuidado com a temperatura e se for decantado apresenta-se um vinho com um maior grau de qualidade do que quando servido da garrafa diretamente para o copo. É experimentar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *